Jabaculê – ou simplesmente jabá – é uma antiga prática comercial, utilizada para promover produtos e serviços. Sua versão tradicional tem origem nas contrapartidas financeiras que jornais e revistas recebiam para publicar matérias sobre seus anunciantes. Visando atingir um público cada vez mais heterogêneo, a publicidade moderna desenvolveu novas roupagens, obrigando o jabá a se diversificar também. Os textos publicitários atuais se confundem com notícias. Conteúdo e marketing se misturam propositadamente, fazendo com que o consumidor seja influenciado pela credibilidade dos neocomunicadores digitais e seu poder de persuadir multidões de seguidores. Vende-se publicidade em forma de conteúdo, sobretudo nas redes sociais, onde o promopost é uma ferramenta fartamente utilizada. O jabá teve que se adequar, assim, às novas estratégias publicitárias. Hoje, eles se transvestem de presentes, convites, favores e outros tipos de gratuidades.

Na gastronomia, o jabá funciona assim:  uma parte precisa divulgar seu trabalho; outra parte tem a divulgação como trabalho. Empresários, chefs e produtores querem mostrar o que fazem para um grande número de pessoas. Jornalistas, instagrammers, youtubers e blogueiros precisam mostrar para um grande número de pessoas o que empresários, chefs e produtores fazem. Os interesses se encontram e estabelece-se uma troca com benefícios mútuos. É uma relação comercial, nada de errado com isso. Tudo perfeito quando o consumidor – uma terceira parte muitas vezes esquecida nesta relação – é devidamente informado de que a avaliação que está lendo faz parte do negócio. O sociólogo Carlos Alberto Dória e o crítico gastronômico Jota Bê ilustram o assunto, de forma magistral e bem humorada, no vídeo BocaLivre: seu restaurante serve jabá? (assista aqui)

Semana passada, ao sair para almoçar, vivenciamos uma situação que nos inspirou a escrever este post. Vamos dar spoiler logo de uma vez porque não gostamos de fazer suspense: foi um rotundo e monumental desastre.

Mas, antes de entrarmos na saga propriamente dita, convém reforçar algumas considerações sobre nós. Avaliar estabelecimentos gastronômicos é uma atividade multidisciplinar que requer conhecimento.  Não temos a qualificação técnica necessária. Só temos simancol e responsabilidade suficientes para nos limitar a fazer singelas crônicas gastronômicas. Brincamos com as palavras, enquanto contamos a história dos lugares que visitamos e as impressões que tivemos. Já falamos sobre isto na apresentação do “Sem Jabaculê” (leia aqui).

Resumindo:

O que nós somos ⇒ amigos da comida, pessoas comuns, que gostam de comer fora, de ser bem servidos e que têm limites de orçamento.

O que nós não somos ⇒ cozinheiros, críticos gastronômicos, digital influencers e gastro-setters. 

Identificou-se?   Deu match aí, leitor(a)?   Então continuemos.   É com você mesmo que queremos falar.

Dias atrás, um restaurante local recebeu a imprensa para divulgar a recente contratação de um chef e lançar o novo cardápio. Logo depois, as redes sociais de vários blogs especializados bombaram com as melhores referências sobre o lugar. Ambiente, serviço, comida, tudo de primeiríssima linha. Novidadeiros que somos, rumamos para lá na primeira oportunidade. Cheios de expectativas e nos achando as pessoas mais antenadas do planeta, convidamos a família para compartilhar a “descoberta”.

Chegando por volta das 13 horas de um feriado, percebemos que o local estava vazio. Quando falamos vazio, é vazio potência máxima: ninguém, nadie, nobody. Pensamos: normal, a casa é nova, detestamos fila de espera mesmo. A filha começou a fritar logo de cara. Contudo, por uma questão de princípios, consideramos que o argumento dela de “querer ver e ser vista” não era suficientemente relevante para abortar precocemente a missão.

Fomos à carta e ao menu. Primeira opção de vinho: não tinha. Primeira opção de tira-gosto: não tinha. Segunda opção de tira-gosto: não tinha. Meio que suando frio, cruzando os dedos e sentindo aquele ar de regozijo estampado no rosto da filha, escolhemos outro vinho e a indefectível batata frita, para afastar qualquer risco. Alívio! Tinha. Neste momento, até pensamos que a nossa sorte ia mudar. A batata canoa estava deliciosa.

14 horas, vendo que o ambiente não evoluía em termos populacionais, a filha deu o grito de independência. Avisou aos outros convidados – que ainda estavam a caminho – a intenção de abandonar o barco, pediu que a resgatassem e vazaram todos para outro restaurante. Mesmo com déficit de solidariedade familiar, insistimos, persistimos e não desistimos. Resolvemos almoçar rápido e abreviar a jornada.

Pedimos frango: não tinha. Pedimos costelinha de porco ao molho barbecue: não tinha. Justificativa: o cardápio era novo. Deu vontade de dizer: ok, então traz o velho, cara pálida. Aqui cabe um parênteses: cardápio fake, recheado de “tem, mas cabou”, é a regra nº 2 do Decálogo da Experiência Gastronômica Fracassada (leia aqui). A profecia se cumpriu. Pedimos então a única opção que tinha: costela de boi. A carne chegou fria à mesa. Quer saber? Nem ligamos mais. O importante naquela hora era só ter saúde. Já havíamos colocado no modo soft porque o coitado do garçom – que não tinha culpa alguma – jorrava pedidos de desculpas por todos os poros.

Para nós, reles mortais, este restaurante tem que melhorar muito para atingir a classificação de meia boca. Não dá para recomendar um lugar onde só se aproveita a batata frita, a simpatia do garçom e a inspiração para escrever um post. Reconhecemos, porém, que conhecer lugares novos é realmente um garimpo. Nos arriscamos a investir tempo e dinheiro e não encontrar nada precioso. Faz parte. Enquanto isso, restaurantes tradicionais, de qualidade comprovada pelo tempo, perdem clientes para as tais “novidades”, e muitas vezes sobrevivem no limite da capacidade financeira, só com a cabeça fora d’água. Foi o que nos veio à mente neste dia. Achamos também que bons chefs deveriam pensar bem antes de vincular seu nome a propostas temerárias. Empresários arrivistas usam este artifício como chamariz e conseguem decepcionar ambos – chef e clientes.

Comemos, bebemos e pagamos. Não voltaremos nem recomendaremos. Mas já assimilamos o impacto e vamos continuar explorando lugares novos. A condição da qual não abrimos mão é receber o mesmo tratamento de um cliente comum. Nada de evento especial, com tapete vermelho, banda de música, lembrancinha e almoço grátis. Não é a realidade que nosso leitor(a) vai encontrar quando for lá por indicação nossa. Pelo menos assim, quando recomendarmos um lugar e você não gostar, saberemos que se trata apenas de incompatibilidade de gostos.

É por respeito a você que não aceitamos jabá.

 

Compartilhar:

42 comentários

  1. gamefly free trial 29 maio, 2019 at 05:14 Responder

    Thank you for any other informative web site.
    The place else may I am getting that kind of information written in such a perfect manner?
    I have a venture that I’m just now working on,
    and I have been on the glance out for such information.

  2. how to get help in windows 10 30 maio, 2019 at 11:10 Responder

    Attractive section of content. I just stumbled upon your web
    site and in accession capital to assert that I
    acquire actually enjoyed account your blog posts. Any way I will be
    subscribing to your feeds and even I achievement you access consistently quickly.

  3. gamefly free trial 31 maio, 2019 at 14:22 Responder

    Hello! I know this is kinda off topic nevertheless I’d figured I’d ask.
    Would you be interested in exchanging links or maybe guest writing a blog article or vice-versa?
    My website covers a lot of the same topics as yours and
    I feel we could greatly benefit from each other.
    If you might be interested feel free to shoot me an email.
    I look forward to hearing from you! Fantastic blog by the way!

  4. gamefly free trial 2 junho, 2019 at 04:26 Responder

    It’s a shame you don’t have a donate button! I’d definitely donate to this excellent blog!
    I guess for now i’ll settle for book-marking and adding your RSS feed to my Google
    account. I look forward to fresh updates and will talk about this blog
    with my Facebook group. Chat soon!

  5. gamefly free trial 2 junho, 2019 at 12:16 Responder

    Hey there! This is kind of off topic but I need some help from an established blog.
    Is it difficult to set up your own blog? I’m not very
    techincal but I can figure things out pretty quick. I’m thinking about making my own but
    I’m not sure where to begin. Do you have any tips or
    suggestions? Appreciate it

  6. gamefly free trial 7 junho, 2019 at 18:19 Responder

    Great blog you have here but I was wanting to
    know if you knew of any message boards that cover the same topics talked about
    in this article? I’d really love to be a part of online community where I can get suggestions from
    other experienced people that share the same interest. If you have any recommendations, please let me know.
    Kudos!

  7. ps4 new games 2019 8 junho, 2019 at 08:52 Responder

    hello there and thank you for your info – I have definitely picked
    up something new from right here. I did however expertise a few technical issues using this site, as I experienced to
    reload the website lots of times previous to I could
    get it to load properly. I had been wondering if your hosting is
    OK? Not that I am complaining, but slow loading instances times will sometimes affect your placement in google and could damage
    your high-quality score if ads and marketing with Adwords.
    Well I am adding this RSS to my e-mail and can look out for a lot more of your respective interesting content.
    Ensure that you update this again soon.

  8. http://tinyurl.com/ 12 junho, 2019 at 14:45 Responder

    Hey! Quick question that’s completely off topic. Do you know how to
    make your site mobile friendly? My web site looks weird
    when viewing from my apple iphone. I’m trying to find a template
    or plugin that might be able to fix this issue.
    If you have any recommendations, please share. Appreciate it!

  9. quest bars 16 junho, 2019 at 14:48 Responder

    I was suggested this blog by way of my cousin. I am now not certain whether
    or not this publish is written by way of him as nobody else understand such distinctive
    about my difficulty. You’re wonderful! Thanks!

  10. John Deere Diagnostic and Test Manuals 16 junho, 2019 at 17:17 Responder

    This could be the appropriate blog for everyone who hopes to discover this topic. You understand much its virtually difficult to argue together with you (not that When i would want…HaHa). You certainly put a different spin on the topic thats been discussing for several years. Excellent stuff, just fantastic!

  11. Warren Puccia 17 junho, 2019 at 14:21 Responder

    I know of the fact that today, more and more people are attracted to surveillance cameras and the field of pictures. However, to be a photographer, you must first invest so much period deciding which model of photographic camera to buy and moving from store to store just so you may buy the most affordable camera of the brand you have decided to decide on. But it does not end just there. You also have to think about whether you should obtain a digital dslr camera extended warranty. Thanks for the good suggestions I accumulated from your blog site.

  12. plenty of fish dating site 21 junho, 2019 at 23:13 Responder

    Definitely believe that which you stated. Your favorite justification appeared
    to be on the web the simplest thing to be aware of.
    I say to you, I definitely get annoyed while people think about worries that they just don’t know about.
    You managed to hit the nail upon the top and defined
    out the whole thing without having side effect , people could take
    a signal. Will probably be back to get more.
    Thanks

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *.